14h
(GMT -3)

Palestra de abertura do Encontro
Abertura oficial do evento Comissão Organizadora
RDA: para agora e para o futuro Chris Oliver

14h – 15h30
(GMT -3)

Eixo 1: Fundamentos relacionados ao RDA
Das normas de catalogação aos fundamentos e métodos de produção de bases de dados aderentes aos públicos Cristina Ortega

As bases de dados são produtos de informação de crucial importância para a vida das pessoas. Essa afirmação pode ser constatada hoje frente ao papel que elas têm exercido na sistematização dos experimentos realizados nos últimos meses para a produção de vacinas contra COVID-19, além das revisões sistemáticas que subsidiaram o
enfrentamento dos casos da doença em todo o mundo.
Na comunidade bibliotecária, as normas de catalogação apresentam forte presença nos
modos de compreensão e de produção de respostas às demandas por informação. Essas
normas foram em geral construídas como propostas contingenciadas pelas características locais e regionais. Dito de outro modo, como qualquer instrumento de organização da informação, as normas de catalogação são datadas por seu momento de concepção e uso, ou seja, são condicionadas pela maturidade metodológica, pelo estágio de desenvolvimento tecnológico e pelas variantes econômicas e políticas do momento e do local em que são propostas e implementadas. 
A despeito disso, os esforços realizados em torno de propostas normativas de catalogação são dignos de nota se considerarmos a demanda cognitiva exigida, que deve ser sempre balizada por parâmetros conceituais, metodológicos, pragmáticos e tecnológicos. Nossa histórica é riquíssima, partindo dos primeiros manuais aos códigos de catalogação, formatos de registro bibliográfico e padrões de metadados, tendo como referência o padrão internacional de descrição bibliográfica (ISBD) e os modelos
conceituais de registros bibliográficos da família FRBR, entre outros.

Sendo assim, é fato que a Biblioteconomia se desenvolveu grandemente em torno da proposição de normas que buscavam atender às demandas de seu tempo, em termos dos novos tipos de documentos, de suportes e de públicos. No entanto, não se pode deixar de observar o acúmulo que elas proporcionam ao campo, haja vista que representam – de modo racional e elaborado – estruturas de representação de documentos e recursos para acesso a elementos dessas estruturas. Desse modo, cabe tratar da função intrínseca da normatividade, ou seja, do lugar específico que ela ocupa na produção de bases de dados fundamentadas e contextualizadas, visando aderência pelos públicos para os quais são destinadas.
Frente a esse cenário em que mais uma norma vem sempre grandemente discutida, exigindo estudos e experimentos de toda a comunidade de profissionais e professores, perguntamos como pensar a catalogação, tendo em vista os diversos níveis em que ela se manifesta que vão do conceitual ao normativo, passando pelo  metodológico e pragmático, sempre sob os condicionantes tecnológicos e econômicos de cada tempo e lugar. O objetivo dessa apresentação é discorrer sobre os diversos níveis de manifestação da catalogação, a partir dos quais o processo pode ser compreendido e
produzido, explorando em especial o desenvolvimento normativo do campo, a partir das particularidades das propostas normativas realizadas, abordadas na perspectiva das
estruturas de representação que lhes estão subjacentes.

Resource Description and Access em tempos de Linked Data Fabiano Ferreira de Castro

Propõe-se a pensar e a refletir nas possibilidades que os dados dos catálogos bibliográficos modelados em RDA podem ser potencialmente utilizados e aplicados para o contexto tecnológico vigente, caracterizado por dados abertos e conectados.

15h30 – 16h
(GMT -3)

Espaço dos apoiadores
Desenvolvimento e tecnologia em catalogação Fabio Tuso (ITMS Group)
  • Fabio Tuso
    Fabio Tuso
    ITMS Group

Nesta apresentação, identifique os principais benefícios da aplicação do padrão RDA em catálogos bibliográficos e aspectos como:

  1. Características do novo padrão de catalogação RDA.
  2. Cenário de registros bibliográficos.
  3. RDA Vs RCAA2.
  4. Como reconhecer um registro RDA.
  5. Metodologia de conversão.
  6. BestMARC CENTER.

Conheça a BestMARC, uma ferramenta de última geração na padronização e gerenciamento de metadados, para qualquer unidade de informação que queira diagnosticar, atualizar, padronizar e estruturar seus registros bibliográficos MARC21 para as normas RDA (Recursos, Descrição e Acesso) ou AACR2."

14h – 15h30
(GMT -3)

Eixo 2: Aplicação do RDA em Bibliotecas
Relato de experiência na aplicação do RDA no Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul Ana Guimarães Pereira

Relato de experiência sobre a aplicação e adoção do RDA para os registros de autoridade e registros bibliográficos no Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul - SiBUCS, que é composto por 12 bibliotecas, no Estado do Rio Grande do Sul, integradas e coordenadas pela Biblioteca Central. A adoção do RDA teve seu início no ano de 2012, com a parametrização do software Pergamum, tradução dos novos atributos para o controle de autoridades (nome pessoas, famílias e entidade coletiva) e treinamento da equipe de bibliotecários do Setor de Processamento Técnico da Biblioteca Central, mas foi a partir de 2018 até a presente data que uma equipe de bibliotecários foi designada para planejar a adoção da nova normativa nos registros bibliográficos.

Experiência de implementação do RDA na Biblioteca do Congresso Nacional do Chile Ángela Quiroz Ubierna

Esta apresentação compartilha as principais experiências relacionadas à implementação da norma Recursos, Descrição e Acesso (RDA) na Biblioteca do Congresso Nacional do Chile (BCN-Chile). Destacam-se as atividades geradas no início da implantação do RDA, a participação do BCN-Chile no Grupo de Interesse RDA Chile e o trabalho realizado desde o surgimento do RDA e do RDA Toolkit, em 2010, até o momento. Além disso, será compartilhada a experiência de ter sido a instituição representativa da América Latina e do Caribe no Conselho da RDA, no período 2017-2019.

Implementação do RDA na Biblioteca Central da PUCRS Clarissa Selbach

Relato sobre o processo de implementação do Resource Description and Access (RDA) em registros bibliográficos e de autoridade na Biblioteca Central Irmão José Otão, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e como é a experiência da equipe catalogando com as novas diretrizes do RDA desde 2016.

15h30 – 17h
(GMT -3)

Apresentação de trabalhos

O Catálogo de biblioteca e o Resource Description and Access (RDA): os efeitos do código nas interfaces dos resultados de busca
Heytor Diniz Teixeira; Rachel Cristina Vesu Alves

Catalogação de personagens fictícios em RDA na Biblioteca Central da PUCRS
Clarissa Jesinska Selbach; Anamaria Ferreira; Loiva Duarte Novak; Lucas Martins Kern

Modelagem de Publicações Seriadas: a nova abordagem do IFLA LRM e do RDA
Rhuan Henrique Alves de Oliveira; Fabiano Ferreira de Castro

Sessão de perguntas

14h – 15h30
(GMT -3)

Eixo 3: Aspectos tecnológicos aplicados ao RDA
Metadados: novos horizontes com a RDA Ana Carolina Simionato Arakaki

As tecnologias trouxeram soluções inovadoras, principalmente para os ambientes digitais, como Web Semântica e Big Data. No entanto, nós ainda estamos atrelados à construção e compartilhamento das fichas catalográficas, originalmente compostas pelas orientações do AACR2r e a ISBD. Com a automação dos catálogos, transportamos a estrutura de ficha catalográfica para o ambiente digital. É visto que a partir da proposta da família FR e do IFLA LRM, além das tecnologias semânticas, é necessária uma nova estrutura para os catálogos. Diante dessa nova configuração, a exposição buscará discutir os modelos conceituais e a RDA, especificamente, como as descrições passaram a ser mais orgânicas e multifacetadas exigindo um novo olhar para os padrões de metadados.

RDA visto a 30 mil pés Liliana Giusti Serra

O RDA transforma a catalogação ao permitir que recursos sejam descritos de formas até então não imaginadas. Enfoques e pontos de vista diferentes são possíveis de serem construídos, o que possibilita visualizar o catálogo sob outras perspectivas. Um registro não é apenas um recurso isolado no catálogo. Vínculos podem ser criados entre entidades e atributos, ampliando o alcance dos acervos, proporcionando inferências, enriquecimento de dados etc. O RDA oferece outras formas para construir representações que permitam a realização das tarefas dos usuários. Nesta apresentação serão discutidas algumas possibilidades de representação e o exercício necessário para enxergarmos além do recurso descrito.

RDA e os metadados bibliográficos Rachel Alves

O desenvolvimento de métodos mais eficazes para a representação da informação e o uso estratégico de tecnologias que contribuíssem para um melhor acesso aos recursos, sempre foram fatores presentes no desenvolvimento da catalogação.
As bibliotecas contam com um legado histórico de registros bibliográficos em uma estrutura automatizada que reflete a estrutura as fichas catalográficas. É uma grande quantidade de metadados bibliográficos, armazenados em catálogos de bibliotecas, que precisam de uma nova estrutura tecnológica para serem usados e reusados em ambientes digitais na Web.
Isso ocasionou o surgimento de novos instrumentos de representação no domínio bibliográfico, que englobam os aspectos tecnológicos e representacionais, necessários para a construção de representações com maior qualidade em novos ambientes informacionais.
Baseado nos modelos conceituais do domínio bibliográfico, o RDA se apresenta como um novo instrumento de representação que tem o potencial de representar de modo mais abrangente e relacionado os recursos informacionais do domínio bibliográfico em ambientes digitais como a Web.
Inserida no eixo de aspectos tecnológicos, o intuito da palestra que é discutir a relação do RDA com os metadados bibliográficos produzidos pelas bibliotecas e as principais mudanças tecnológicas e impactos na representação, no cesso, na descoberta, na interoperabilidade, na vinculação de metadados bibliográficos.

15h30 – 16h
(GMT -3)

Espaço dos apoiadores
Gestão de metadados com o FOLIO: BIBFRAME, RDA e KnowledgeBases Michelangelo Viana (EBSCO)

16h – 17h
(GMT -3)

Apresentação de trabalhos

CIDOC-CRM E O BIBFRAME: integração de metadados
Ezequiel Rodrigues da Silva Leandro; Felipe Augusto Arakaki

RDA e a nova geração de catálogos: explorando o Linked Data
Letícia Bonetti; Ana Carolina Simionato Arakaki

Sessão de perguntas

14h – 15h30
(GMT -3)

Eixo 4: Ensino e pesquisa no RDA
Catalogação Bibliográfica: um ensino interdisciplinar para uma aplicação em linguagem simples Fernando Modesto

O campo de abrangência da atividade de catalogação bibliográfica e metadados depende de métodos e conhecimentos inovadores para sua aplicação. Isso está relacionado à formação profissional que depende de uma variedade de áreas, incluindo, por exemplo, as humanidades, ciências sociais, design e tecnologia. No entanto, grande parte da formação profissional está ainda focada em padrões e recursos específicos para bibliotecas. As discussões sobre a amplitude de conhecimento necessário para catalogar geralmente fazem referência à familiaridade com o conteúdo que precisa ser catalogado. Nesta perspectiva, pretende-se refletir sobre a atividade do ensino e da prática da catalogação bibliográfica e metadados como um esforço interdisciplinar. Acrescente-se, na abordagem, o conceito da “Linguagem simples”, que no campo da comunicação tem ganho destaque nos últimos anos. Uma temática que realça a importância de os textos e conteúdos serem claros e convidativos aos leitores. Na perspectiva da catalogação, nos alerta para a importância de construirmos representações bibliográficas compreensíveis ao público. Procedimento contido nas premissas da RDA.

O kairos para uma formação catalográfica crítica Filipe Reis

Tendo em vista que as graduações em Biblioteconomia do Brasil estão e/ou vão adaptar seus projetos políticos pedagógicos para inserir conteúdos sobre o “novo” código de catalogação, acredita-se que esse contexto é conjuntamente uma oportunidade para refletir, criticar, analisar e operar nos processos vigentes da Educação Catalográfica brasileira. Preconiza-se pensar e repensar o ensino, o currículo, a aprendizagem, o planejamento e as políticas educacionais de catalogação. Nesse cenário, busca-se refletir sobre a formação crítica nos processos da educação catalográfica.

O ensino de catalogação no Brasil: contexto histórico e desafios contemporâneos Marcos Hübner

Esta palestra apresentará um panorama do ensino de Catalogação nos cursos de Biblioteconomia brasileiros, resultante de minha tese de doutoramento, que teve por objeto os Projetos Pedagógicos de Curso de 36 instituições de ensino superior e os
Planos de Ensino de 96 disciplinas de Catalogação, propôs-se a analisar a trajetória histórica e o desenvolvimento do ensino da Catalogação no Brasil, considerando as demandas das unidades informacionais contemporâneas, as novas metodologias de ensino, além da incorporação das inovações tecnológicas e conceituais na área da Ciência da Informação. Os resultados demonstram que a inclusão de novos conteúdos vem ocorrendo de maneira gradual, sem um maior aprofundamento, restringindo-se, muitas vezes, aos fundamentos teóricos da área. Conteúdos, como Metadados, RDA, FRBR, tão representativos das evoluções conceituais, ainda carecem de representatividade junto ao coletivo de conteúdos de Catalogação de muitos dos cursos analisados. Com a palestra, almeja-se contribuir para a ampliação do conhecimento e da compreensão sobre o cenário atual do ensino de Catalogação no Brasil, bem como fornecer subsídios para o desenvolvimento de novas pesquisas na área.

15h30 – 16h30
(GMT -3)

Apresentação de trabalhos

Desafios e estratégias metodológicas para o ensino da RDA
Felipe Augusto Arakaki; Paula Regina Ventura Amorim Gonçalez; Ana Carolina Simionato Arakaki

RDA e FRBR em ambientes digitais
Natalia Gallo Cerrao; Fabiano Ferreira de Castro

Sessão de perguntas

16h30
(GMT -3)

[Evento paralelo] - Oficina sobre metadados
Dublin Core: princípios e fundamentos Felipe Arakaki
  • Felipe Arakaki
    Felipe Arakaki
    UNB

A oficina tratará sobre os princípios e fundamentos do padrão de metadados Dublin Core e será apresentado uma metodologia para construção de perfis de aplicação de metadados baseado nas orientações da Dublin Core Metadata Initiative (DCMI).

15h30
(GMT -3)

Palestra de encerramento do Encontro
Contextos do RDA na América Latina Filiberto Felipe Martinez Arellano
Encerramento oficial do evento Comissão organizadora
@2021 - FEBAB - Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas de Informação e Instituições